Notícias de última hora

Rússia faz novos ataques aéreos na Síria

Fumaça é vista sobre Talbiseh, na província de Homs, após ataque aéreo nesta quarta-feira (30) (Foto: Centro de Prensa de Homs/AP)

O exército russo confirmou nesta quinta-feira (1º) novos ataques noturnos na Síria contra quatro posições do grupo Estado Islâmico nas províncias de Idleb (noroeste), Hama e Homs (centro).

“A aviação russa efetuou quatro ataques aéreos durante a noite contra quatro posições do Estado Islâmico no território sírio”, afirma em um comunicado o ministério russo da Defesa.

Nas oito incursões, os caças Sukhoi-24 e 25 do exército russo destruíram um "quartel-general dos grupos terroristas e um depósito de munições na região de Idleb", assim como uma oficina de montagem de carros-bomba ao norte de Homs.

Forças de segurança de Damasco afirmaram que a aviação russa bombardeou nesta quinta na Síria posições da Al-Qaeda e de outros rebeldes islamitas nas províncias de Idleb (noroeste) e Hama (centro).

"Quatro aviões de combate russos atacaram bases da Jaish al-Fatah em Jisr al-Shughur e em Jabal al-Jawiya (na província de Idleb) e também atacaram posições de grupos armados, bases e depósitos de armas em Hawash, na província de Hama", afirmou a fonte.
O Jaish al-Fatah ("exército da conquista", em árabe) reúne a Frente Al-Nosra, braço sírio da Al-Qaeda, e outros grupos islamitas como o Ahrar al-Sham.
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, considerou "infundadas" as dúvidas dos países ocidentais sobre os bombardeios de Moscou contra o grupo Estado Islâmico (EI) em seus primeiros ataques na Síria.
"Os rumores de que o alvo dos ataques não era o EI carecem de qualquer fundamento", declarou o ministro, citado em um comunicado depois de uma reunião com o secretário do Departamento de Estado americano, John Kerry, em Nova York.
A aviação russa executou na quarta-feira (30) os primeiros bombardeios na Síria, a pedido do presidente Bashar al-Assad.
Rapidamente, os países ocidentais e a oposição síria no exílio expressaram dúvidas sobre a escolha dos alvos atacados pelos caças russos.

Nenhum comentário