Notícias de última hora

PM atualiza estudo sobre tatuagens com marcas de novas facções

PM atualiza estudo sobre tatuagens com marcas de novas facçõesAutor da Cartilha de Orientação da Polícia Militar, o capitão Alden José Lázaro da Silva, do Departamento de Polícia Comunitária e Direitos Humanos, fez um novo estudo que identifica as tatuagens utilizadas por membros de facções criminosas na Bahia. O PM estuda o tema há mais de 10 anos. 

Segundo informações do jornal Correio, membros da Katiara, grupo que atua no Recôncavo Baiano, usam o pentagrama ou as letras KT, normalmente nas mãos. De acordo com Alden, as tatuagens tem influência de quadrilhas que agem na América Latina, como Los Zetas, e na máfia russa, que costuma tatuar estrelas nos ombros e joelhos. A Caveira, comandada por Genildo Lino da Silva, o “Perna”, utiliza o desenho de um crânio ou e um mago, que faz referência ao líder da facção, que está preso em Catanduvas (PR). O grupo também lança mão de símbolos associados ao PCC, como a carpa e o número 1533 (referente à ordem das letras no alfabeto, P-15 C-3 C-3) e o yin yang (que simboliza o bem e o mal na cultura chinesa).
O CP, que tem como líder Cláudio Campanha, também preso em Catanduvas, é representada com um escorpião, com a expressão “Tudo 2” (o algarismoestá relacionado à quantidade de letras da sigla) e o número 315 (C-3 P-15). De acordo com o capitão, além de tatuagens, os criminosos se diferenciam com cortes de cabelo e picham muros e imóveis com os símbolos dos bandos aos quais pertencem. 

O estudo mostra ser comum encontrar pichações da Caveira em Pau da Lima, Pernambués (Saramandaia), Federação (Lajinha), Bairro da Paz, Liberdade, Calabar, Santa Cruz (Boqueirão), Cajazeiras, Mussurunga, Itapuã e nos municípios de Itabuna, Madre de Deus, Feira de Santana e Lauro de Freitas. As marcas do CP são encontradas na maior parte de extensão da Avenida Suburbana, Cosme de Farias, Bate Coração (Paripe), Campinas de Brotas e as da Katiara são mais comuns em Valéria, Águas Claras, Lobato e em municípios do Recôncavo.

Nenhum comentário