Notícias de última hora

Del Nero pode renunciar em reunião da CBF para discutir mudança de estatuto



Enfraquecido no cenário internacional com perda de prestígio no Comitê Executivo da Fifa e também na Conmebol, Marco Polo Del Nero começa a preparar sua saída da CBF. Ele pode até anunciar sua renúncia na assembleia extraordinária que marcou para a próxima quinta-feira, dia 11. Para isso, costura um acordo para fazer o sucessor.

Oficialmente, a assembleia é para, entre outros itens, apresentar aos presidentes de federação a “reforma parcial do estatuto’’ da CBF. Uma das medidas seria limitar a uma reeleição o mandato do presidente, de quatro anos. Seria uma maneira de atender ao que diz a MP do Futebol. Mas se até lá estiver mais enfraquecido do que hoje, considera a hipótese de renunciar.

O problema, nesse caso, é que ele quer deixar no poder uma pessoa de sua confiança, o presidente da Federação Capixaba Marcus Vicente. Só que, pelo estatuto atual, o sucessor seria Delfim Peixoto, da Federação Catarinense, por ser o mais velho dos vice-presidentes, depois que José Maria Marin foi afastado da entidade.
Peixoto, porém, nunca gozou da confiança de Del Nero e tornou-se desafeto ao condenar o abandono do atual presidente da CBF a Marin e por dizer que está pronto para assumir a presidência. O catarinense, aliás, entende que Marco Polo está tentando dar um golpe para evitar que ele assuma. “Essa história de mudança no estatuto é para me impedir de assumir, mas não ficarei em silêncio.’’

De qualquer maneira, Del Nero ainda tenta sobreviver, embora saiba que se aparecer alguma denúncia que o envolve não vai conseguir resistir. Sua sustentação política está centrada nas federações, com quem já se reuniu na terça-feira.

Dos 27 Estados, recebeu apoio de 24 no encontro. Apenas três são opositores declarados: Francisco Novelleto, do Rio Grande do Sul, Hélio Cury, do Paraná, e Delfim. De Berlim, onde se encontra para assistir à final da Copa dos Campeões, Novelleto declarou ao Estado que prefere não se manifestar sobre a manutenção ou não de Del Nero no comando da confederação.

A costura com os clubes é o outro grande desafio da CBF. Embora ainda tenha o apoio formal da maioria deles, vários dirigentes afirmam que é o momento de mudanças mais profundas. Fala-se até na criação de uma liga independente, que seria formada por clubes de Minas Gerais, Rio e Rio Grande do Sul.

“Existe uma grande ansiedade dos clubes brasileiros por mudanças. Tivemos algumas tentativas infrutíferas no passado e, diante da crise mundial, aumentam as expectativas e a vontade, mas ainda não temos nada concreto”, afirma Mario Celso Petraglia, presidente do Atlético Paranaense.

Para tentar conter o movimento antes mesmo que ele se fortaleça, a CBF quer acalmar os dirigentes e marcou uma reunião com eles para segunda-feira. “Não sei qual será o tema da reunião”, confirmou Vitorio Piffero, presidente do Internacional. Por meio de sua assessoria, a presidência do Flamengo afirmou que o tema da reunião será a MP que estabelece as regras para refinanciamento das dívidas dos clubes de futebol.

Nenhum comentário