A Previdência Estadual deixou de pagar R$ 24,7 milhões, entre os anos de 2015 e de 2017, com a exclusão de servidores aposentados e pensionistas falecidos da folha de pagamento. Este valor foi poupado por meio de ações de auditoria e recadastramento, através de cruzamento de dados ou por intermédio de ressarcimento e ações judiciais.
 
A Superintendência de Previdência do Estado (Suprev) excluiu da folha 5.468 beneficiários falecidos, sendo que 4.186 eram inativos e 1.282 pensionistas, entre 2015 e 2016. Para detectar os benefícios que estão sendo pagos irregularmente, a Superintendência cruza os dados da folha de pagamento da Previdência com informações de óbitos do Sistema Informatizado de Óbitos (Sisobi). “A Suprev tem a responsabilidade e o dever de preservar os recursos previdenciários, realizando ações de controle para coibir pagamentos irregulares”, explicou o secretário da Administração, Edelvino Góes.
 
Mas, como os cartórios de registros civis do estado ainda não estão todos interligados ao Sisobi, muitos casos de óbitos não são informados à Previdência Estadual. Com a falta de informação, pensões e aposentadorias continuam a ser pagos mesmo após o falecimento dos beneficiários.
 
Para suprir a deficiência do Sisobi, a Suprev realiza auditorias periodicamente na folha de pagamento para detectar beneficiários da previdência que faleceram. A Superintendência também realiza ações de recadastramento de inativos anualmente, evitando pagamentos indevidos para pensionistas ou aposentados que foram a óbito.
 
A Superintendência da Previdência faz, ainda, campanhas de comunicação para esclarecer a necessidade de familiares de inativos informarem a Previdência quando ocorre o falecimento do seu ente. Assim, evita-se que continue sendo pago indevidamente benefícios previdenciários e também impede que o Estado cobre esses valores judicialmente ou administrativamente.
 
Quando a Suprev recebe a informação que um inativo faleceu e benefícios foram pagos indevidamente após seu óbito, o Estado solicita o bloqueio dos valores correspondentes na Conta Bancária. Desde 2015, a previdência já recuperou R$5,8 milhões, junto a instituições bancárias.
 
Nos casos em que não são possíveis resgatar os benefícios junto às instituições financeiras, a Superintendência de Previdência tenta a devolução dos recursos diretamente com familiares ou responsáveis dos beneficiários falecidos. No mesmo período foram acordados R$1,2 milhão em devoluções. Quando não há acordo, o nome do responsável é inscrito em dívida ativa, e o Governo ingressa, posteriormente, com ação judicial para reaver os recursos recebidos indevidamente.



O STJ (Superior Tribunal de Justiça) recebeu na quarta-feira (22) um pedido de instauração de inquérito para investigar o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Ele é acusado de receber, por meio de um cunhado, recursos de caixa dois da empreiteira Odebrecht nas eleições de 2010 e 2014. 
O pedido foi distribuído para o gabinete da ministra Nancy Andrighi, que relatará o caso. Ela deve decidir se autoriza a abertura. 
O envio do procedimento à corte foi avalizado pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), relator da Lava Jato. Governadores têm foro privilegiado e respondem ao STJ. 
O pedido de abertura de inquérito foi antecipado pela Folha de S.Paulo. Ele foi feito pelo Ministério Público Federal e tramita até o momento em segredo de Justiça. 
O nome do governador não aparece na página do tribunal que permite o acesso e a consulta a processos. A corte informa apenas que o "requerido", ou seja, o alvo da investigação, está "em apuração". 
Nesta semana, parlamentares do PT foram à PGR (Procuradoria-Geral da República) para reclamar da lentidão de investigações contra Alckmin no âmbito da Lava Jato. 
Delatores da construtora Odebrecht disseram ter pago cerca de R$ 10 milhões, em caixa dois, para campanhas dele ao governo do Estado de São Paulo. Um cunhado de Alckmin teria recebido os valores. 
A Procuradoria informou aos parlamentares petistas que ainda não havia recebido, do STF, o conteúdo das delações. E informou ainda que os procedimentos em relação ao governador seguiam em sigilo.



O apresentador Luciano Huck prometeu um pronunciamento oficial nos próximos dias para comentar sobre a possibilidade de se candidatar à presidência da República. Até a última sexta-feira (24) havia confidenciado a amigos e familiares que deve se aventurar na política, contudo, de acordo com a colunista da Folha de São Paulo, Monica Bergamo, os mais próximos a Huck dizem que ele tem mudado de opinião de “quatro em quatro horas”.
Neste sábado, o site O Antagonista, publicou uma pesquisa de intensão de votos na qual apresentador aparece com 10,27%. O levantamento foi feito pelo Instituto Vertude e ouviu, por telefone, 6370 pessoas em todo território nacional.
O resultado pesquisa tem como líder de intenções de votos o deputado federal Jair Bolsonaro com 34,05%. O ex-presidente Lula aparece com 27,40%. O segundo turno seria feito pelo dois no levantamento.
Sobre Huck o próprio Bolsonaro desejou sorte ao apresentador da Globo e disparou: resta saber se ele tem o couro duro para aguentar a pancada. Candidato fica nu, pendurado de cabeça para baixo e apanhando sem parar.
A colunista da Folha afirma que os interlocudores do apresentador da Globo temem que ele insista na pré-candidatura. Dizem que rachou a família, além do movimento Agora! Que ele integrava e o PPS também já demonstrou fissuras por causa da aproximação do artista. Resta saber se ele vai bancar mesmo a empreitada.


O concurso 1.991 da Mega-Sena sorteará prêmio neste sábado (25) estimado em R$ 60 milhões. O prêmio acumulou, pois no concurso anterior ninguém acertou as seis dezenas.
A aposta mínima na Mega-Sena custa R$ 3,50 e pode ser feita até as 19h (horário de Brasília), do dia do concurso, nas mais de 13 mil casas lotéricas do país.
Saiba como é calculado o prêmio
O valor arrecadado com o concurso da Mega-Sena não é totalmente revertido em prêmio para o ganhador. Parte do montante é repassada ao governo federal para investimentos nas áreas de saúde, educação, segurança, cultura e esporte.
Além disso, há despesas de custeio do concurso, Imposto de Renda e outros, que fazem com que o prêmio bruto corresponda a 46% da arrecadação.
Dessa porcentagem, 35% são distribuídos entre os acertadores dos 6 números sorteados (sena); 19% entre os acertadores de 5 números (quina); 19% entre os acertadores de 4 números (quadra); 22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos 6 números nos concursos de final 0 ou 5; 5% ficam acumulado para a primeira faixa - sena - do último concurso do ano de final 0 ou 5.
Não havendo acertador em qualquer faixa, o valor acumula para o concurso seguinte, na respectiva faixa de premiação.
Os prêmios prescrevem 90 dias após a data do sorteio. Depois desse prazo, os valores são repassados ao Tesouro Nacional para aplicação no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies).



Com dificuldades junto à base aliada, o presidente Michel Temer escalou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) para atuar como uma espécie de articulador e tentar reduzir as resistências à votação da reforma da Previdência. Em encontro fora da agenda oficial, o peemedebista se reuniu com o senador na manhã desta quarta-feira (22) e lhe pediu que o partido feche questão favoravelmente à mudança nas aposentadorias.
Na terça-feira (21), o tucano disparou telefonemas para deputados da sigla, pedindo que votem favoravelmente às mudanças nas aposentadorias. A ideia é que o senador identifique quais parlamentares estão resistentes à iniciativa para que o presidente os convoque para conversas particulares, no Palácio do Planalto.
O receio do presidente é de que um eventual desembarque do PSDB do governo federal, decisão que pode ser tomada na convenção nacional da sigla, interfira no placar da proposta. Segundo relatos, o senador tem afirmado que o grupo do partido que defende a saída da Esplanada dos Ministérios é contrária à agenda de reformas do presidente.
A proximidade de Aécio e Temer tem incomodado deputados e senadores tucanos. Ele havia prometido aos dirigentes da sigla manter-se afastado das articulações com o governo federal.
Ele usou o argumento por mais de uma vez para manter-se como presidente licenciado da sigla. Na ocasião, prometeu mergulhar na política mineira para avaliar sua situação eleitoral no ano que vem e distanciar-se da cena nacional, mas segue atuando como principal articulador do governo no PSDB.



     O presidente Michel Temer decidiu nesta quarta-feira (22) nomear o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) para o comando da Secretaria de Governo em substituição ao tucano Antonio Imbassahy (BA). Deputado federal de primeiro mandato, Marun é um dos mais ferrenhos integrantes da "tropa de choque" do presidente da República. Para assumir a vaga no primeiro escalão, o peemedebista se comprometeu com Temer em não disputar a reeleição para deputado federal no ano que vem.
     Segundo O Globo, a mudança de última hora na articulação política do governo fez com que o Planalto adiasse em uma hora e meia a cerimônia de posse do novo ministro das Cidades, Alexandre Baldy, que estava programada para as 15h30. Para aproveitar a solenidade e dar posse simultaneamente a Baldy e Marun, o cerimonial do palácio transferiu a cerimônia para as 17h. A saída de Imbassahy da pasta responsável pela articulação política do governo é mais um movimento do tabuleiro político de Temer para tentar aprovar a reforma da Previdência Social. Deputados do PMDB e do "Centrão" exigiam a demissão do ministro tucano para ajudar o governo a aprovar as mudanças nas regras previdenciárias.
     O futuro de Imbassahy ainda está indefinido. Ao longo da semana, cogitou-se dentro do Planalto que o tucano poderia ser deslocado para outra pasta, como a dos Direitos Humanos, que atualmente é comandada por outra indicada do PSDB: a ministra Luislinda Valois.
O empresário André Luiz da Silva Rodrigues delatou ao Ministério Público Eleitoral que a organização criminosa do ex-governador Anthony Garotinho (PR) usava armas para viabilizar o esquema de dinheiro ilícito para campanha. 
De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, sempre que fazia os saques de dinheiro, o empresário recebia ligações de do operador de Garotinho, Antônio Carlos Ribeiro, o "Toninho", "braço armado da organização criminosa", dando conta que estava sendo seguido. 


      Atualmente identificamos que o esporte em Itabuna dispõe de poucos recursos investidos no esporte, muitas seleções de Itabuna de vários esportes disputam campeonatos a nível regional e nacional com recursos próprios , doações e ajuda de algumas empresas da região.
     O vereador Ronaldão (PMN) que já é bastante conhecido no meio esportivo por sempre incentivar e contribuir para que o esporte de Itabuna não se acabe, apresentou algumas emendas no anteprojeto de lei nº.272017 que vão beneficiar o esporte de Itabuna como um todo, em suas emendas o vereador buscou incluir alguns itens que vão contribuir com a população de Itabuna.

Veja na íntegra as emendas abaixo:




domingo, 19 de novembro de 2017 | h

Por que comer muito rápido faz mal para a saúde


Imagem relacionada

Comer lentamente, saboreando cada mordida e sem distrações pode parecer um luxo para muita gente. Mas é fundamental para a saúde, segundo um estudo apresentado na conferência anual da Associação de Cardiologia dos Estados Unidos.

Devorar os alimentos não dá ao cérebro tempo suficiente para registrar que estamos satisfeitos. E aumenta em cinco vezes o risco de uma síndrome metabólica, caracterizada por um conjunto de fatores de risco relacionados a doenças cardiovasculares e diabetes, como obesidade, pressão alta e taxas elevadas de colesterol.
O estudo
A pesquisa, conduzida pela Universidade de Hiroshima, no Japão, acompanhou por cinco anos 642 homens e 441 mulheres saudáveis. Eles tinham 51 anos quando o estudo começou, em 2008.
Os participantes foram divididos em três grupos, de acordo com a velocidade que ingeriam os alimentos. O resultado? 11,6% daqueles que comiam mais rápido desenvolveram síndrome metabólica, bem acima dos índices observados nos outros dois grupos – entre os de velocidade média, o percentual foi de 6,5%, e os mais lentos, 2,3%.

Tudo indica que "comer mais devagar seria uma mudança de hábito crucial para prevenir a síndrome metabólica", afirma o cardiologista Takayuki Yamaji, que liderou o estudo.

"Quando as pessoas comem muito rápido, fazem isso de forma exagerada, porque não se sentem saciadas. Isso também causa variações no nível de glicose, que podem levar a uma resistência à insulina."

A síndrome metabólica tem como base a resistência à ação da insulina, responsável por regular o açúcar no sangue, o que obriga o pâncreas a produzir mais esse hormônio.

Desligar a TV para perder peso
Um estudo anterior já havia indicado que comer devagar é uma estratégia eficaz para perder peso.

A pesquisa, realizada pela Universidade da Carolina do Norte, constatou que obesos que praticaram técnicas de mindfulness (estado de atenção plena) perderam 2 quilos em duas semanas, enquanto quem continuou a comer rápido emagreceu 300 gramas.

"Nosso estudo sugere que há uma associação entre comer com atenção plena e perda de peso", destacou a pesquisadora Carolyn Dunn, principal autora do estudo.

Ela e seus colegas aconselham não comer em frente à televisão nem na mesa de trabalho.

As recomendações estão alinhadas a práticas budistas milenares e de outras tradições para as quais comer com plena consciência é uma forma de meditação.

Meditação da tangerina
No livro Savor: Mindful Eating, Mindful Life ("Saboreie: alimentação com atenção plena, vida com atenção plena", em tradução livre para o português), o mestre budista Thich Nhat Hanh e a médica Lilian Cheung ensinam como se alimentar sem distrações.

Entre as técnicas apresentadas, está a "meditação da tangerina", que recomenda comer a fruta lentamente, refletindo sobre o processo da natureza para produzi-la e o trabalho necessário para que chegue à mesa, sentindo com gratidão o sabor doce e cítrico.

Assim, da próxima vez que tiver um prato de comida na sua frente, tente desligar a televisão, deixar o celular de lado e vá para longe da mesa de trabalho. Será um gesto de carinho com o próprio corpo desfrutar de cada mordida.

Resultado de imagem para camara dos deputados

Após uma semana de recesso por causa do feriado da Proclamação da República (15 de novembro), o plenário da Câmara dos Deputados volta aos trabalhos com 10 medidas provisórias trancando a pauta de votação. O Congresso Nacional deve votar oito delas até o fim de novembro, quando expira o prazo de análise das MPs pelos deputados e senadores.
Entre as medidas encaminhadas pelo governo que trancam a pauta legislativa está a que trata da participação da União em fundo de apoio à estruturação e ao desenvolvimento de projetos de concessões e parcerias público-privadas e da transferência de recursos para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
Outra medida que pode ser votada é a que institui o Programa de Desligamento Voluntário (PDV), a jornada de trabalho reduzida com remuneração proporcional e a licença sem remuneração com pagamento de incentivo para servidores do Poder Executivo federal.
Ainda consta na pauta MPs da área de infraestrutura, como a que estabelece um regime especial para exploração e aproveitamento das substâncias minerais, a que cria a Agência Nacional de Mineração e extingue o Departamento Nacional de Produção Mineral e a que institui regime tributário especial para as atividades de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural.
Também está prevista a discussão de duas propostas de emenda à Constituição (PECs), entre elas a que altera prazos e a forma de apreciação das medidas provisórias pelo Congresso Nacional.
Reforma da Previdência
Enquanto tentam acelerar a votação das MPs, os deputados que integram a base governista ainda se articulam para retomar a tramitação da reforma da Previdência. A PEC que altera as regras de acesso ao benefício da aposentadoria ainda não consta na pauta do plenário da Câmara, mas a equipe econômica do governo espera votar pelo menos o primeiro turno da reforma ainda este ano.
Para facilitar a aceitação da reforma entre os partidos, o governo aceitou fazer ajustes no texto elaborado pelo relator da proposta, deputado Arthur Maia (PPS-BA), que já foi aprovado em comissão especial. A expectativa é que esta semana as mudanças que flexibilizam a proposta sejam discutidas entre as lideranças partidárias. Ainda não há previsão de quando o novo texto será divulgado.
Comissões
Na terça-feira (21), os deputados também devem concluir na comissão especial a análise da PEC 381/2015, que trata da ampliação da licença-maternidade para mães de bebês prematuros e acrescenta na Constituição que a vida é inviolável desde a concepção do feto.
A proposta motivou intenso debate em torno da polêmica do reforço da criminalização da interrupção da gravidez contida no relatório em análise pela comissão. O texto-base da proposta já foi aprovado, e na próxima reunião o colegiado pode votar os destaques ou sugestões de mudanças apresentadas ao texto. Concluída esta etapa, a proposta segue para análise do plenário.
Bahia Destaque 2015-2016 - Tema Desenvolvido Por YFOXXV